Terça-feira, 9 de Maio de 2006

PENSO RÁPIDO

Sendo curtos e incisivos, preparem-se para trabalhar até morrer, ou morrer com o fundo de pensões. Foi esse o mais recente pensamento do nosso P.M. Filósofo.

As novas regras incitam os tugas a trabalhar além dos 65 anos. Ponto número 1, os tugas não gostam mesmo nada de trabalhar. Ponto número 2, Zézinho, com este tipo de medidas até podes reformar a Segurança Social, mas não vais ganhar muitos amigos. Vejam só que ele não reagiu muito bem às nossas declarações, como pudemos constatar:


Dito isto, vamos à vaca fria, que é o mesmo que dizer, à indexação das pensões de reforma à esperança média de vida. Traduzindo por miúdos, por cada ano que esta esperança média de vida aumentar, o Governo quer que os trabalhadores adiem a reforma em cinco meses. Tivemos acesso exclusivo ao diagrama utilizado para essa mesma reforma, verifique o seu perfil:


Assim sendo, vamos a contas. O Zé Manel é um sacana com uma saúde de ferro, e vendo na bola de cristal do Professor Botafogo, vai ter uma saúde de ferro até aos 90 anos. Ora vejamos as consequências:

65 anos + (90-65 anos x 5 meses) = 65 + 10,4 = 75 anos

Ou seja, o Zé Manel, que vai estar rijo como um pêro aos 65 anos, vai partilhar a sua saúde com os colegas de trabalho, também eles todos vivaços. O Governo consegue assim um excelente veículo de promoção da saúde. Imagine por exemplo o modo enérgico como um professor de Português com 65 anos de idade, mesmo após 40 anos de ensino, lidará com pequenos e amáveis pirralhos de 10 e 11 anos, que de futuro em vez de lhe lançarem impropérios de ordem vária, lhe oferecem iogurtes com baixo teor de colesterol e pão integral com sementes de sésamo

Factos Reais: A proposta apresentada pelo Governo aos parceiros sociais (patrões e sindicatos), padece da oposição das centrais sindicais e das associações patronais, no que se refere ao adiantamento da idade de reforma. O Governo para além de estipular um tecto máximo para as pensões pagas com dinheiros públicos, quer fazer depender as reformas do crescimento do PIB e da taxa de inflação. Haverá deduções fiscais para quem tiver mais que dois filhos. Sócrates veio a público desdramatizar que o sistema da Segurança Social pode desequilibrar-se nos próximos dez anos. Há neste momento 2,6 trabalhadores activos por cada reformado, na década de 80 havia 3,8 activos por cada pensionista.

Pensamento do Dia: Apresentam-se duas alternativas aos trabalhadores, ou aceita um corte de 5% na reforma por cada ano de aumento na esperança média de vida, ou nos últimos anos da sua vida activa, aumenta as deduções para a SS. Obvio que em nenhuma delas sai favorecido, o cenário é do formato escrava Isaura, ou trabalha mais, ou desconta mais, ou recebe menos de reforma, ou então rebenta com os neurónios antes de conseguir tomar uma decisão. Se for um bom português… meta baixa sff!

News: Aproveitamos também para divulgar os novos artigos "VOYEUR QB" e PORTOS DE (DES)ABRIGO", em mais um dia de BICO D'OBRA.

Temos dito.
Ass: Grizo, Mercador e Tobias

pregado por Alfinete de Peito às 02:07

link da posta | Espeta um comentário | Junta-o aos melhores!
|
24 comentários:
De Suse a 9 de Maio de 2006 às 11:56
Ehehe! Estão a imaginar uma enfermeira a espetar uma agulha no lugar errado porque aos 70 anos já não consegue ver bem?

Dá que pensar isto... e se os avós não têm tempo para os netos, quem terá, se os pais trabalham para sustentar a casa?

Só digo que isto não passa de uma grande complô político para as cresces e infantários ganharem mais, e as amas abusarem das crianças...

Os nossos políticos que tenham juízo na mona!

Besos*
De Nanita a 9 de Maio de 2006 às 13:09
Qualquer diz temos de pedir licença para viver mais uns anitos!
De maresia a 9 de Maio de 2006 às 17:34
adorei a nova imagem!!!
De Friedrich a 9 de Maio de 2006 às 18:26
Recebo sempre a tua actualização... Então e o meu romance não estás a acompanhar, se estás não comentas!?:)) Agora afastei-me da má política, procuro apenas o comportamento humano que a desacredita, é muito mais saudável e não dá tantas dores de cabeça. Vá lá, vai lá e deixa a marca da tua passagem!

Abraços
De Blind Dog a 9 de Maio de 2006 às 23:53
É impressionante a matéria que a nossa classe governante nos oferece para meditação...
De as velas ardem ate ao fim a 10 de Maio de 2006 às 13:32
excelente!
De Insolente a 10 de Maio de 2006 às 13:34
eu ca queria mesmo uma reforma, se bem que nao trabalho, mesmo nao trabalhando quero uma reforma... nao se arranja nada? se tou parvo? sim entao para nao ser parvo vou trabalhar mais anos... foda-se... ora entao um grande bem haja
De Thiago Forrest Gump a 10 de Maio de 2006 às 15:22
E aqui o ex presidente chamou os aposentados de vagabundos!
De zé das loas a 10 de Maio de 2006 às 18:21
Uns privilegiados é que vocês são! até têm um blog!!! qualquer dia és tributado! eheheh

e língua afiada, decididamente! por isso indispensáveis. abraços
De menina graça a 10 de Maio de 2006 às 18:22
Dilema: produz mais, cansa-te e contribui para baixar a esperança de vida, embora já estejas quase morto quando te reformares ou fica no bem bom, vive longa e tranquilamente mas no teu local de trabalho... Hmmm... não sei! :)

Espeta-o

Contacta o Alfinete

Mail: blogalfinetedepeito arroba sapo ponto pt
Msg: alfinetedepeito arroba gmail ponto com
RSS: RSS do alfinete

Google Reader or Homepage
Subscribe in NewsGator Online
Add to Technorati Favorites!
Get RSS Buttons
online

tags

todas as tags

Pesquisa no Alfinete

 

Julho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Achtung!

Todo e qualquer conteúdo deste blog é fictício, até os seus criadores.

Descubra os Alfinetes!

GRIZO
Delírios verborreicos e silêncios criativos. Adoro ver em ângulo morto e desmontar maratonas de 500 metros. Tenho dito.

MERCADOR
O meu passatempo favorito é fazer omoletas sem ovos. Adoro e ao mesmo tempo odeio pessoas. Gosto de olhar e ver e de pôr a minhoca de molho. Tenho dito.

TOBIAS
Diagnosticado, com pensamento abstracto, possuo também inteligência, humor e acima de tudo beleza (para compensar a ausência nos restantes). Tenho dito.

Amigos do Peito

Alfinetes no Palheiro