Quarta-feira, 23 de Maio de 2007

KATO O TEU TELEMÓVEL!

O Alfinete de Peito criou uma agência publicitária, a Ganza Power, em mais um passo para dominar o mercado empresarial Português e quem sabe Mundial. A Temene lançou um concurso para mais uma campanha, a Ganza leu o briefing e colocou mãos à obra! Apresentou o projecto à operadora de telecomunicações e foi a vencedora com a campanha "Kato o Teu Telemóvel!"

Eis o NOVO spot radiofónico feito pelos Alfinetes (carregar no player para ouvir):





O argumento foi que quantos mais telemóveis forem Katados, mais aparelhos a operadora irá vender! Criámos 3 personagens para fazer concorrência às Teresinhas! Ei-las:

Katado


Jovem de classe média-alta, que tem o telemóvel da berra e que berra também quando é katado por rapazes que sem mais que fazer divertem-se a roubar. Kat da parte da Mãe e Atado da parte do Pai, passa os dias a explanar (verbo da juventude para quem passa o dia todo na esplanada, em vez de estar a estudar) e a enviar sms's! Já foi katado vezes sem conta e até se elogia de nalguns casos não ter sido agredido!

Bad Boy Motherfucker


Um dread do best! Bad boy da parte do Pai, Motherfucker da parte da Mãe que trabalhava no negócio das carnes! Não sabe escrever, mas envia sms à farta! Faz omoletas sem ovos, até porque não tinha dinheiro para comprar...e gosto de ir para o Burger King cravar um Big Mac. (qualquer semelhança com o Jay-Z é pura coincidência)

Gee


O seu nome é sinónimo de hip-hop! Não há muito mais a dizer, o seu objectivo é marcar a diferença. O seu lema é "Não vim para agradar...mas sim para chocar!", nas palavras do próprio. A sua religião, a sua ideologia política, a sua crença intitula-se: AMAR A PRÓXIMA! Não fala do seu percurso, pois pressupõe que toda a gente conheça o seu percurso e sabem muito bem do que ele é capaz!

Pensamento do Dia: Uma coisa vos digo, após esta campanha rebentar nas ruas...cuidado com os telemóveis!

Temos dito.
Ass: Almiscaro, Grizo e Mercador
sinto-me: Kitado
música: Timbaland - Give it to me
Quinta-feira, 17 de Maio de 2007

BLOQUEIO DE AUTOR

Bloqueio de autor, ou no meu caso, de autora, é tramado. É tramado porque eu gosto de escrever. E não ter algo sobre o qual escrever é frustrante. Como agora. Estou a utilizar a função metalinguística para ocupar espaço no texto. Ou noutras palavras, meter palha. Ou encher chouriços. Vêem? Agora estou a utilizar o metaforismo para o mesmo efeito. E quando disse “Vêem?” estava a utilizar uma pergunta retórica. E, de uma maneira geral, dei uso à estupidez*.

 

Mas voltando ao assunto, bloqueio de autora é uma coisa chata. Não só dá uma pequena comichão na orelha direita, como persegue as pessoas durante uns tempos, tornando-se assim difícil proferir qualquer frase com mais de três palavras. E sim, eu estou ciente que estou a construir frases com mais de três palavras. Ou então não.

 

O ridículo é que, por norma, o bloqueio se realiza por fases. A primeira é constituída pelos dez minutos iniciais, durante os quais se olha fixamente para um documento em branco à espera que o cérebro reaja. Requer-se silêncio absoluto. É aqui que um qualquer alarme um tanto ou quanto ruidoso dispara. Segue-se pequeno espasmo no olho esquerdo.

 

Durante a segunda fase, e após atirar com relativa força um piano à fonte do alarme, os olhos fogem do documento em branco e procuram algo no meio ambiente que provoque uma reacção no cérebro: um livro, um CD, aparelhagem, estante, fita-cola, agrafador, furador, chão, tecto, parede, janela, candeeiro, mesa, mãos, computador, pó, cortinados, chão outra vez, madeira, o piano atirado janela fora…

 

Na terceira fase, começa o desespero. Fala-se com pessoas aleatoriamente, na vã esperança que algo na conversa tenha interesse suficiente para ser aproveitado e desenvolvido na escrita. Nunca resulta e as pessoas com quem se iniciou uma conversa não nos param de dar sugestões patetas e mentecaptas.

 

“Olha, tipo, podias, tipo, gozar, tipo, com ‘A Bela e o Mestre’. Tipo.”

 

Tipo, não.

 

A quarta fase é, sem dúvida, a mais frustrante. A ideia surge de facto na cabeça, mas sempre no momento quando não se tem à mão algo onde a anotar. Mesmo que se tente repetir a ideia na cabeça repetidamente, a fim de não a esquecer, ela desaparece no momento em que alguém vos pergunta as horas.

 

“EU TINHA A RESPOSTA PARA O SENTIDO DA VIDA, IDIOTA!”

 

A quinta fase tem início no momento em que se consegue deitar a mão a uma folha de papel ou a um computador. Mas a ideia já se foi há muito, voltando-se à primeira fase.

 

A sexta fase acontece quando, num estado de puro desespero, se decide escrever sobre o próprio bloqueio, dividindo-o em fases e explicando-as pormenorizadamente, numa vã tentativa de auto-satisfação. Não que eu alguma vez tenha chegado a esse ponto.

 

* Não, a estupidez não é um recurso estilístico.


Pensamento do Dia: Alcachofra

 

Temos dito.
Ass: Anaoj
sinto-me: bloqueada
música: Shout Out Louds - There's Nothing
Terça-feira, 20 de Março de 2007

MAIS VALIA TER FICADO EM CASA

Segunda-Feira, 20 de Março de 2007


Começo por me apresentar, Inácio Biléu, ao vosso dispor. Hoje pensava eu que seria um dia como outro qualquer e afinal foi mesmo! Tenho 40 anos, moro com o meu gato, Malaquias, numas águas furtadas no Martim Moniz. Trabalho como secretário num veterinário e costumam mandar-me dar banho ao cão ou milho aos pombos, caso seja fim-de-semana. Vejam como é um dia na minha vida:
 

8h - Acordo sobressaltado, deveria ter acordado uma hora antes, coloquei dois despertadores, logo por azar no digital falhou a electricidade durante a noite e o outro ficou sem pilhas às 4.00h.

 

8.10h - Corro para o duche, não sem antes tropeçar no Malaquias, tadinho! Mas bem que merecia, o ca#%ão do gato passa as noites a miar com falta de pussy…já somos dois! Preciso de um duche quente, JÁ! Ao ligar a água é que me apercebi que me tinham cortado o gás. Opto por colocar um bocadinho de perfume atrás da orelha, que entretanto entorno pelo lavatório abaixo. Começo a lavar os dentes ainda ensonado e descubro que a minha escova andava à vários dias a fazer de piaçaba.

 

8.45h - Ponho então um pouco de outro perfume que me tinha sido oferecido há poucos dias. Tinha um cheiro algo “alternativo” e como gosto de coisas novas arrisquei. Para além de um odor a ecoponto amarelo ganhei ainda comichão, rubor e borbulhas tamanho XXL, do tipo “Urticária para míopes”.

 

9h - Descansadamente desço as escadas do alto das minha águas-furtadas, visto o maravilhoso elevador estar em manutenção. Teria sido um bom pretexto para fazer um pouco de exercício não fosse, Toby, o pitbull do vizinho de baixo ter saído à mesma hora...

 

11.20h – Ainda estou na fila de trânsito. Sorrio para a “febra” do lado precisamente no momento em que me lançam um projéctil ao vidro. Depois de uma análise mais cuidada ao sucedido, apercebo-me que tinha um andarilho atravessado no vidro frontal e um bando de velhotas a gritar na minha direcção.

 

12h - Após estacionar o bólide, fecho a porta do carro. Apanho um choque eléctrico de tal ordem, que por momentos pensei estar a ser reanimado por um desfibrilhador. No mesmo instante sou abordado por um senhor que num nobre espírito de voluntariado, mesmo sem dois pés, um braço apenas, um olho vazado e com duas crianças num carrinho de mão, se oferece para me arrumar o carro. Em troca apenas me pedia que fosse o mecenas da família de 23 elementos provenientes da Roménia.

 

12.30h – Hora de almoço! Finalmente! Ao dirigir-me ao meu local de eleição para fartos almoços e majestosas farras desde há 15 anos, apercebo-me de uma fita vermelha da ASAE, com um memorando que rezava: “Por razões de saúde pública o estabelecimento encontrasse encerrado. Todos os animais encontrados serão devolvidos aos respectivos donos. Por favor contactar (...)”.

 

Na parte da tarde e após chegar atrasado ao emprego, Inácio passa o dia a carimbar pápeis, para de seguida arquivá-los no armazém dos documentos que servem de prova ao caso do Apito Dourado, estamos a falar de uma área de 500 m2...quase todos com as ameaças de Criolina Salgado...essencialmente o segundo volume da saga “O que é doce nunca amargou...daí eu ser Salgado!

 

19h – Saio do emprego, não sem antes pisar uma mina de bovino transmontano mesmo à porta. O cheiro deprime-me ao lembrar-me que o meu perfume não lhe chegava aos calcanhares.

 

19.15h – Já a caminho de casa não perco a oportunidade de apanhar todos os buracos na estrada, mas só os grandes, para deixar crescer os pequeninos.

 

21.00h - Preparo o jantar. Ao cortar uma cebola para o refogado, começo a chorar. Mas não era da cebola, era de dor, tinha cortado uma falange aos cubos.

 

22h - Já recomposto e de estômago cheio, sento-me no sofá para ver um pouco de televisão, estava a dar a Floribella. Entro em desespero após ver a Flor abraçada a uma alface. Este LSD sucks! Tenho que mudar de fornecedor.

 

23.30h – Saiu para beber um copo ao bar-strip “Tromba Rija”, onde a Josefina Coxa me sempre um Luso on The Rocks (água da torneira com uma pedra de gelo). A Josefina compreende, sabe que ando sempre teso!

 

00.00h – Após ver o strip da Gina...pergunto-lhe quanto é, para dar-mos uma volta...já nos bastidores do club...percebo o porquê do bar se chamar “Tromba Rija”...a Gina chamava-se afinal Zeferino!

 

02h – Volto para casa e adormeço embalado com o cheiro a caril do Martim Moniz, e os gritos do meu vizinho a brincar ao busca com o Toby!

 

02.01h - Sorrio, amanhã é outro dia!

 
Pensamento do Dia: Existem dias que parece que nos acontece tudo, o Inácio teve um desses dias...quem nunca teve!

Temos dito.
Ass: Almiscaro, Grizo, Mercador e Tobias.

sinto-me: Azarado
música: Therion - Gothic Kabbalah
Quinta-feira, 8 de Março de 2007

VICENTES 2007 – THE BANANA REPUBLIQUE



É novamente com muito suor, lágrimas, sexo e algumas estatuetas que temos o orgulho e o prazer de vos apresentar “The 79th Annual Academy Awards – THE VICENTES”. Após duas edições que foram um estrondo, como podem ver aqui e aqui, esta não tem qualquer comparação...é pior! Esta gala ocorreu num beco escuro, assim no estilo de uma reunião da maçonaria.

De seguida apresentamos os fabulosos vencedores desta noite de glamour...

Melhor Actor Principal – Alberto João Jardim em “O Último Rei da Madeira
Melhor Actriz Principal –  Carolina Salgado em “Memórias de uma Gueixa
Melhor Actor Secundário – Paulo Portas em “Volver”
Melhor Actriz Secundária – José Castelo Branco em “O José Veste Prada
Melhor Filme – Salazar com “The Departed – Entre Fascistas
Melhor Filme Português – “Filme da Treta”, um filme sobre o cinema que se faz neste quintal à beira-mar plantado
Melhor Guarda-Roupa“Dreamgirls”, um filmes que retrata a lingerie das meninas das capas de revista da FHM e GQ
Melhor Realizador – Alberto João Jardim em “Volver”
Melhor Documentário – “Uma Verdade Inconveniente”, um documentário que retrata a mudança de sexo da Filha do Nené
Melhor Filme Estrangeiro – Saddam Hussein em “Irocalypto”, um filme sobre a civilização iraquiana e a queda do seu líder...com umas cabeças a rolar à mistura
Melhor Direcção Artística - Carmona Rodrigues em  "O Coleccionador de Pastas", após acumular pastas como as do Urbanismo, Finanças, Aprovisionamento, Seguros, Eastpak e Colgate.
Prémio Carreira – Hitler em “O Bom Alemão
Melhor Banda Sonora - Gipsy Kings com "Já vi Jeovás" em "T de Testemunha"
Prémio Make-Up – Herman José em “A Gayinha”, apanhado descolorado na Hora G
Melhor Argumento – Manuel Pinho com  "Portugal é um país competitivo em termos de custos salariais." em “Contado Ninguém Acredita
Melhor Longa-Montagem – Elsa Raposo em “A Mãe agora não pode...”
Melhores Efeitos Especiais – “Voo 110”, um filme que retrata o número de voos da CIA nos Açores
Melhor Direcção de Fotografia – Mulher do Mantorras em “A Dália Negra”

De seguida os prémios que os media não falam, e o menino Jesus também não, pois nem ele se lembrou destes...

Melhor Filme Geek“Firewall”, um filme sobre o relacionamento de um vírus e de um trojan para lá da muralha informática
Melhor OPA – Belmiro de Azevedo em “Lavado em Lágrimas”
Melhor TraduçãoPecados íntimos (Little Children)
Melhor Aborto – “Orgulho e Preconceito”, um filme sobre a campanha eleitoral dos apoiantes do “Não” no referendo ao Aborto
Melhor Saco Azul – “Piratas de Felgueiras: O Cofre de Fátima”, um filme sobre os desvios financeiros de Fátima Felgueiras ao comando da Autarquia da cidade de seu apelido
Melhor Comédia – “O Amor Não Tira Férias”, mas mete baixa! Um filme baseado na experiência do Amor na Função Pública
Melhor Desaparecimento – Luís de Matos em “O Ilusionista
Melhor Dança – “Ritmo e Sedução”, um filme sobre Sónia Araújo no Dança Comigo
Melhor Combustível – “98 Octanas”, um filme sobre o aumento dos preços do Combustível
Melhor Guerrilha – José Eduardo dos Santos em “Diamantes de Sangue”

O grande vencedor foi sem sobra de incertezas, o Rei das Bananas, Alberto João Jardim, que levou para o Funchal dois dos mais importantes prémios da noite. Para o ano há mais!

Factos Reais:
- A primeira cerimónia de entrega dos Óscares, no ano de 1929, durou apenas 5 minutos. Nenhum dos 3 actores nomeados apareceu.
- Em 1972, Marlon Brando venceu o Óscar de Melhor Actor, por “O Padrinho”, mas foi uma mulher vestida de Índia que, em seu nome, recusou a estatueta. Disse ainda que tinha um discurso de 15 páginas para ler para explicar a recusa, mas foi impedida de o fazer.
- Em 1978, Woody Allen venceu o prémio de Melhor Realizador por “Annie Hall”. Não compareceu na cerimónia porque preferiu tocar clarinete com a sua banda. E até disse que o Óscar “não significava nada para ele”.
- O filme mais visto em Portugal em 2006 foi o “Código Da Vinci”.

Pensamento do Dia: Tinha que ser feito, é o único post que repetimos anualmente!

Temos dito.
Ass: Almiscaro, Grizo, Mercador e Tobias.
sinto-me: Vicente
música: Marilyn Manson - The Dope Show
Domingo, 28 de Janeiro de 2007

ALFINETE NO PEITO


Este post começa em grande, literalmente. O Alfinete de Peito desta vez deslocou-se ao Brasil para conhecer Sheyla de Almeida. Sheyla é modelo e trata-se da brasileira com o maior peito artificial do Brasil, resumindo tem as maiores mamas em português do Brasil.

Alfinete: O que a motivou a ter as uns melões daquele tamanho?
Sheyla: Antes sentia-me feia, odiava-me ver no espelho. Estava gordíssima, pois não gostava de mexer a bunda para fazer exercício físico, nem cortar com os fritos. E depois de ver nip/tuck decidi-me me retocar toda.

Alfinete: Sabemos que é Mãe e está de cerimónia marcada, pretende sufocar o seu marido com os seus bidons, alegando legítima defesa?
Sheyla: É verdade, estou de casamento marcado com um engenheiro inglês com carências afectivas. Ele nunca mamou do peito da mãe. Comigo isso coisa que não falta...dá para alimentar um regimento! Se ele sufocar no meio das dunas, espero que me deixe a herança, que eu tenho um corpo, perdão, um filho para sustentar.

Alfinete: Atendendo a que é uma caga tacos (1,58 m) e com 56 Kilos. Acha que atrai os olhar masculino devido à sua inteligência?
Sheyla: Claro, porque não. Aliás não se consegue ver o tamanho dos meus dois cérebros.
(para quem tiver dificuldades de visão, aqui fica o tira teimas)


Alfinete: Soubemos que ficou muito decepcionada com a cirurgia que fez na China, onde, correu risco de vida durante 24 horas?
Sheyla: Sim, os sacanas dos chinos têm a visão em pal plus e não repararam que tinham deixado uma caixa de ferramentas, uma lancheira e um saco de tijolos dentro dos meus marmelos.

Alfinete: Sheyla, já tens de um litro de silicone nas tetas, qual o próximo passo?
Sheyla: Cara, enquanto não chegar aos 2,5 litros e ultrapassar a porca da Argentina que tem uma prateleira que mais parece um balcão, não me sinto completa!

Alfinete: Para quando uma visita a Portugal?
Sheyla: Portugal é show de bola! Quando tiver os 2,5 litros, vou a boiar até às docas de Lisboa! (risinhos). Me aguarda, Portugal!!! xixixixi

Pensamento do Dia: A busca da perfeição torna pessoas perfeitamente normais em monstruosidades, em pessoas deformadas. Será um problema da sociedade ou um problema pessoal, a busca pela perfeição do corpo? A moda, os media, as próprias pessoas criam este problema ao ponto de as destruir por dentro e por fora! Para quem não se lembra a Lola Ferrari morreu sufocada pela seu peito, enquanto estava a dormir de barriga para cima!

Temos dito.
Ass: Grizo e Mercador.
sinto-me: Amamentado
música: Lisa Germano - In The Maybe World
Sexta-feira, 12 de Janeiro de 2007

A RAPOSA E O CORDEIRINHO

O Ano de 2007 começa em grande com mais uma grande história no mundo da BD. Referimo-nos obviamente ao vídeo caseiro da Raposa e do seu ex-namorado, o Cordeirinho


O Alfinete de Peito visionou na íntegra o vídeo, com perto 50 minutos de duração, que se encontra na posse de desconhecidos que tentam agora tirar proveito financeiro da fita.


A fita de boa qualidade, sem quaisquer cortes ou montagens (por acaso, até tem algumas montagens do Cordeirinho na Raposa), foi feita pela Raposa e pelo Cordeirinho durante uma maluqueira nas palhotas, demonstrando que o casal, que partilhou o mesmo fardo entre Junho e Setembro passado, gostava de jogos, como a apanhada, a cabra cega, o canguru perneta, o bate pé... apimentando a sua ramboia.


O cenário eleito pelos dois foi o celeiro e o filme começa com Cordeirinho, de câmara em riste, a gravar a Raposa pelada,  deitada na cama. Sem demoras, a Raposa provoca o seu companheiro e ‘realizador’ improvisado, tocando-se em diversas partes da cauda, ao mesmo tempo que lhe pedia para fazer “o amor” e dar-lhe festinhas. “Vou-te comer!”, sussurrava.


Rendido às constantes provocações e ao corpo peludo da parceira, Cordeirinho resolve então também ele entrar em acção. Mesmo, quando enlouquecia com beijinhos no menino, o lanzudo nunca largou a câmara. Cordeirinho captou cada pormenor do corpo da companheira e observava atentamente os seus movimentos de caça ao pepino e o seu nome escrito na cauda da Raposa. Até que ela lhe pediu para ser “tosquiada”... Cordeirinho fez-lhe a vontade e os dois deixaram-se levar pelo lã.


No cume do prazer, o casal foi interrompido... Era a topeira (empregada da lavandaria) que batia...batia à porta. “Espera e enfia no buraco”, disse languidamente a Raposa, enquanto cobria o corpo despido com a lã tosquiada. Não demorou mais do que um minuto para que a voltasse para dar prazer ao então namorado, satisfazendo-o com festinhas nas orelhas, ao mesmo tempo que uivava, aumentando a excitação.


Cordeirinho mantinha-se muito calado, sem grande movimentos e completamente concentrado, não só na sua “prestação”, como na filmagem. Pouco se manifestava. Apenas se mostrou mais activo quando chegou a vez de ser ele a puxar o lustro ao pelo da raposa, que levou a mesma ao delírio. Nesse momento, passou a Raposa para realizadora da película.


Enlouquecidos de prazer, Raposa e Cordeirinho tinham-se esquecido de que não estavam sozinhos no celeiro, até ao momento em que as raposinhas bateram à porta do quarto. Novamente, a galhofa tinha sido interrompida, mas a Raposa não conseguia pensar em mais nada, ao ponto de dizer às três raposinhas: “Esperem um bocadinho. A mãezinha está a dar uma pinada com o cordeirinho”. E continuou envolvida nos lençóis, sem sequer ouvir o que as raposinhas lhe quereriam dizer.


Uma hora depois de tudo ter começado, o casal atinge o clímax. Raposa, em tom libidinoso, sussurra-lhe ao ouvido: “Adoro o cheiro da tua lã, sobretudo quando estamos três dias sem tomar banho...


O filme caseirinho só termina porque acaba a fita. Mas deu para perceber, nas últimas cenas, que a Taveirada se iria prolongar, agora já sem a excitação de ter uma objectiva a captar os dois artistas.


Desconhece-se como o vídeo chegou à mão de terceiros e quartos que agora tentam vendê-lo por cerca de 250 mil euros.


Pensamento do Dia: Isto é tudo muito bonito, mas a verdade é que é uma pequeníssima readaptação da sex tape da Elsa Raposo. Fiquei pasmado e ela de boca aberta, como podem ler aqui. É apenas mais uma mancha no currículo da Raposa, que muita tinta faz correr nos media portugueses! Que belo exemplo! Nunca compreendemos o que se passou na cabeça desta senhora após o “sex appeal”


Temos dito.
Ass: Grizo e Mercador

sinto-me: Maravilhado!
música: Blackfield - Once
Domingo, 25 de Setembro de 2005

GUINNESS

Portugal é um dos povos que mais se dedica a entrar no livro do Guinness World of Records. O Patrocínio da terra e a dinamização das tradições Portuguesas são as principais motivações dos Tugas.

Algumas iniciativas pretendem angariar fundos. Em Cercal do Alentejo, os lucros chegaram para pagar uma ambulância. No Livro do Guiness 2005, Portugal aparece citado mais de 20 vezes. Eis alguns dos recordes:

1- Escarra mais distante: 10,25 metros.
2 - Maior tempo a coçar a micose no tetículo esquerdo: 2h e 35 m.
3 - Nome mais comprido escrito com urina numa parede: Anacleto Frasciscano Bobone Lencastre da Camâra Cinha Jardim Von Breisky.
4 - Maior taxa de sangue por litro de álcool, por Guilherme Nunes Rodrigues (mais conhecido pelos amigos como “GNR”) com 0,02.

Legenda: Guilherme a tentar bater o seu próprio recorde.

5 - Maior número de marmitas com cozido à portuguesa e garrafões de vinho por metro quadrado, numa praia.
6 - Maior número de novos ricos que têm a mania que por terem dinheiro deixam de ser bimbos.
7 - Maior número de vezes que alguém disse “Estou inocente!” em Tribunal, por julgamento de Pedofilia.
8 - Maior boca da televisão mundial, a de Manuela Moura Guedes.
9 - Maior número de pausas para café em horário de trabalho: 32, incluindo idas à Casa de Banho pelo meio.
10 – Maior número de aumentos do preço da gasolina por semana: 8.

Factos Reais: Já fizemos o maior pão com chouriço da Via Láctea, servimos o maior caldo verde da história, temos o homem-estátua mais parado de que há memória, tecemos a maior manta de retalhos de sempre, entre outros grandes feitos. Os minhotos, em Ponte da Barca vão tentar entrar para o Guiness com a iniciativa “24 Horas a Dançar o Vira”.

Sugestão: Sugerimos ao Governo em funções que se candidate a vários recordes mundiais, como por exemplo, o de maior défice, maior taxa de desemprego e maior número de jobs for the boys, por forma a combater a crise económica com os lucros provenientes dos recordes.

Pensamento do Dia: Uma grande nação é uma nação insatisfeita, por isso, é interminável esta nossa busca de grandeza.

Temos dito.

Ass: Grizo e Mercador.
tags:
Sábado, 10 de Setembro de 2005

O IRRITADO CRÓNICO

Passava pouca das seis da tarde, cerca de 45 minutos, quando o Sr. João Calmante entrou no consultório do Alfinete de Peito para dar início à sua primeira sessão de acompanhamento.

João Calmante tem 43 anos e é casado com Felicidade Calmante, com quem contraiu matrimónio à cerca de 15 anos, fruto do qual nasceram os seus dois filhos, Jacó (que trabalha na Telepizza) e Liliana (que frequenta o 3º ano do curso de Canto Gregoriano no Conservatório de Música). João reside na Pontinha e trabalha como contabilista no arquivo do Tribunal de Contas. É uma pessoa que se descreve como stressada e pessimista, factos que o levaram a recorrer aos nossos serviços.

Começámos por pedir a João Calmante que identificasse aquilo que o leva a ficar irritado, eis a resposta:

Irrita-me o Daddy Yankee cantar “Me gusta la gasolina” quando eu tenho o ponteiro na reserva. Será que ele sabe o preço de um litro de gasolina na Galp?
Irrita-me o preço da lagosta.
Irrita-me engolir sapos, especialmente aquele que corre mais rápido que a própria sombra.
Irrita-me vozes estridentes.
Irrita-me pessoas que não se calam.
Irrita-me quando se chega ao aeroporto e se descobre que o avião está atrasado e vamos a viagem toda com crianças ao lado a berrar.
Irrita-me pessoas a desperdiçar comida, quando existe tanta fome no mundo.
Irrita-me falar com o voice mail.
Irrita-me o telemarketing.
Irrita-me quem toma banho em perfume.
Irrita-me ter tempo para conseguir fazer torradas e come-las durante um intervalo de um filme na TV.
Irrita-me o silêncio.
Irrita-me lavar o carro num dia de sol e chover no dia seguinte.
Irrita-me o ordenado dos jogadores de futebol.
Irrita-me as cunhas.
Irrita-me os Secretários de Estado, nunca mais poderem desempenhar cargos inferiores na função pública.
Irrita-me o Imposto Automóvel.
Irrita-me a fuga ao fisco.
Irrita-me a incompetência.
Irrita-me não haver uma Nova Gente quando tenho vontade de soltar os prisioneiros.
Irrita-me pessoas falsas.
Irrita-me quem tira macacos do nariz nas filas do trânsito.
Irrita-me mudar constantemente de posto de rádio e todos darem publicidade.
Irrita-me que comam pipocas no cinema como se não houvesse amanhã.
Irrita-me gramar com a música clássica das chamadas em espera.
Irrita-me quem mete o pisca para mudar de faixa de rodagem.
Irrita-me quando me perguntam se quero pizza alta e fofa ou fina e estaladiça.
Irrita-me as notícias de encher pneu do jornal da TVI.
Irrita-me dizer a uma pessoa que está irritada para se acalmar e isso não acontecer.
Irrita-me este post.
Irrita-me a minha irritação e a dos outros.
Irrito-me por tudo e por nada, pela simples existência de ser.

Após o final da sessão, chegámos à conclusão que João Calmante padecia de Irritação Crónica (A Nova Doença das Metrópoles), pelo que lhe recomendámos que desse umas voltas na rotunda do Marquês de Pombal em hora de ponta.

Historial: Esta sessão ocorreu à cerca de seis meses. Desde então João Calmante adiciona diariamente à sua Sopa uma boa dose de Valium e Xanax. Hoje em dia encontra-se reformado por invalidez e passa o dia a jogar às cartas com os amigos num jardim perto de sua casa, coisa que o irrita profundamente.

Pensamento do Dia: A pior coisa que se pode dizer a uma pessoa que está irritada é “Acalma-te” ou “Tem calma”. "É preciso ter calma, não dar o corpo pela alma".

Temos dito.

Ass: Grizo e Mercador.
Quarta-feira, 20 de Julho de 2005

QUEM CHORA, NÃO MAMA

O Alfinete de Peito teve conhecimento de que o Instituto de Socorros a Naufrágos (ISN) tem recebido centenas de mails de banhistas indignados pela escassez de topless nas praias portuguesas. Estes recordam os saudosos anos 80 em que as senhoras andavam mais com os seios à mostra para bronzear, permitindo assim fazer-se os famosos buracos na areia, prática que tem diminuindo nos últimos anos. Para acalmar os animos o ISN costuma informar as praias para nudistas e o número de telefone do fotógrafo nova-iorquino Spencer Tunick.

Se repararem bem, não há vez que passe uma senhora com os seios à mostra numa praia lotada que não haja 90% da população masculina a olhar. Os outros 10% ou estão com a mulher à coca, ou então não gostam muito daquilo.

Se por acaso for do sexo feminino e fizer Topless nas praias portuguesas (ou então como as tugas que cá não fazem, mas vão para o sul de Espanha fazer e andar de tanga, à procura de festa) e der com vários homens a olhar para os seus seios, não se preocupe nem se assuste, está a fazer um bem à saúde pública, está a ajudar a diminuir a taxa de mortalidade.

Contemplar o peito das mulheres é bom para a saúde dos homens e ajuda-os a viver mais tempo! Foi o que revelou um estudo realizado por um grupo de pesquisadores alees. Eles concluiram que olhar fixamente todos os dias, durante 10 minutos, para os seios de uma mulher, é tão benéfico como uma boa meia-hora de exercícios físicos. Este estudo, efectuado ao longo de 5 anos, num grupo de 200 homens (voluntários), demonstrou que todos os que aproveitaram o espectáculo entusiasmante e diário de belos seios femininos, sofriam menos de doenças cardio-vasculares e tinham menos problemas de hipertensão do que os que não olharam para os seios todos os dias.

Segundo o Dr. Karen Weatherby, que dirigiu os estudos, afirmou que “olhar para os seios de uma bela mulher durante 10 minutos, em cada dia, é o equivalente a uma meia-hora de aeróbica. A excitação sexual aumenta e a frequência cardíaca, e é beneféfica para a circulação do sangue. Nós pensamos que, com tal prática diária, os homens podem aumentar a esperança de vida em pelo menos 5 anos.”

O Alfinete de Peito acaba assim de desvendar um dos mistérios da humanidade: Os homens ao cabo e ao resto não são tarados, estão é preocupados com a sua saúde!

Como gostamos de ser um blog com Responsabilidade Social, aqui fica o nosso contributo para a saúde masculina:



Facto Real: Um jovem de 23 anos com um peito de tamanho mais vulgar em mulheres foi multado por andar na rua sem camisola à uma hora da madrugada. O senhor é enorme e peso 200 kilos, mas a verdade é que, diz o advogado “não é proibido um homem expor o peito”, por isso as queixas terão de ser levantadas.

Como é obvio isto só pode acontecer no país que tem a maior indústria pornografia do mundo e o Presidente mais burro de toda a galáxia

Pensamento do Dia: É bem verdade que “quem chora, não mama”. Veja-se as classes média e baixa é que levam as talhadas causadas pelas más governações consecutivas, estão constantemente a dizer que situação está mal, ou seja, a chorar. Por oposição a classe alta não parece se queixar assim tanto da situação, ou seja, não choram e mamam muito.

Temos dito.

Ass: Grizo, Kozmix e Mercador
Segunda-feira, 11 de Julho de 2005

DE PEQUENINO SE TORCE O PEPINO

O Alfinete de Peito vem desta feita refutar os princípios falaciosos recorrentes que regem a sociedade em que vivemos, a denominada sociedade dos “adultos”. Com efeito, vamos aqui atribuir relevo ao espaço infantil, e fazemos aqui desde já um convite: “Criança! Junta-te a nós! Vêm brincar connosco!"

Ora vejamos, fomos fazer uma reportagem com três crianças (Manel, Maria e o Quim), tendo como âmbito fulcral a sua análise comportamental durante uns tempos. Vejamos as nossas conclusões:

Manel diz: Vamos brincar aos médicos.
Maria Responde: Prefiro brincar aos enfermeiros.
Quim diz: Eu sou o ginecologista! Maria deita-te na maca!
Conclusão do Alfinete de Peito: O Quim é um Santana Lopes em Potência! Pior! Estas crianças são potenciais governantes, que brincam aos hospitais com o orçamento dos contribuintes!

Maria diz: Eu sou maior que vocês! Na na na na!
Quim diz: E eu corro mais vocês!
Manel diz: E eu tenho a pila maior que vocês!
Conclusão do Alfinete de Peito: O Manel é um potencial Castelo Branco, nunca viu nenhuma mulher nua, por isso não deve saber que só os homens têm pila! A Maria e o Quim estão na idade do armário, e são potenciais militantes do PSD, ora vejamos: “Eu sou maior que vocês!” foi o que Santana Lopes disse quando se confrontou directamente com Marques Mendes e “Eu corre mais que vocês” foi o que Durão Barroso disse quando se pisgou daqui para fora.

Manel diz: Eu faço 10 flexões num minuto! Na na na na!
Maria diz: Eu faço 50 flexões num minuto!
Quim diz: E eu faço 300 flexões em meio minuto!
Conclusão do Alfinete de Peito: Estamos perante uma visão Socrática infantil! Parece-nos que construir a OTA e o TGV em 4 anos tem o seu “q” de semelhança a 300 flexões em meio minuto! Não é possível, porque o Sócrates gosta de estar bem mais de meio minuto de rabo para o ar!

Quim diz: O meu Pai deu-me 5 euros para comprar bombóns!
Maria diz: O meu também me deu 5 euros para comprar chocolates!
Manel diz: O meu deu-me 50 euros para gastar em guloseimas porque eu fiz um bom trabalho para um concurso de desenho em Bruxelas.
Conclusão do Alfinete de Peito: 1º Denominador comum = Dinheiro para esbanjar = Sociedade Portuguesa; 2º Manel recebeu 10 vezes mais, porque enquanto Quim e Maria são potencias futuros deputados nacionais, Manel é um futuro deputado do parlamento Europeu!

Pensamento do dia: “Inocência? Só se for no Bairro Alto às 5 da manha quando toda a gente está bebeda e ninguém sabe o que faz ou o que diz.”

Temos dito.

Ass: Mestre

Contacta o Alfinete

Mail: blogalfinetedepeito arroba sapo ponto pt
Msg: alfinetedepeito arroba gmail ponto com
RSS: RSS do alfinete

Google Reader or Homepage
Subscribe in NewsGator Online
Add to Technorati Favorites!
Get RSS Buttons
online

tags

todas as tags

Pesquisa no Alfinete

 

Julho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Achtung!

Todo e qualquer conteúdo deste blog é fictício, até os seus criadores.

Descubra os Alfinetes!

GRIZO
Delírios verborreicos e silêncios criativos. Adoro ver em ângulo morto e desmontar maratonas de 500 metros. Tenho dito.

MERCADOR
O meu passatempo favorito é fazer omoletas sem ovos. Adoro e ao mesmo tempo odeio pessoas. Gosto de olhar e ver e de pôr a minhoca de molho. Tenho dito.

TOBIAS
Diagnosticado, com pensamento abstracto, possuo também inteligência, humor e acima de tudo beleza (para compensar a ausência nos restantes). Tenho dito.

Amigos do Peito

Alfinetes no Palheiro